XI Conferência Municipal de Assistência Social

XI Conferência Municipal de Assistência Social

Publicado por Pablo Gonçalves, 02/09/2019
Compartilhe esta notícia

Na última sexta-feira (30), no Centro de Pastoral São João Batista, localizado na Praça Cesário Alvim, aconteceu a décima primeira Conferência Municipal de Assistência Social, que teve como tema: “ Assistência Social: Direito do Povo, com Financiamento Público e Participação Social. O evento é uma realização da Prefeitura de Caratinga, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, juntamente com o Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS).

As Conferências de Assistência Social são espaços de debate coletivo que devem oportunizar a participação social, assegurando momentos para discussão e avaliação da política de assistência social e também para a eleição de prioridades políticas para os respectivos níveis de governo. Durante as Conferências Municipais são eleitas propostas e delegados que seguem para a Conferência Regional, depois Estadual, e em seguida para a Conferência Nacional. Ao final do processo, as propostas podem se tornar políticas públicas.

De cada eixo saíram 4 propostas, sendo uma para o estado, uma para o governo federal e duas para o município, totalizando 12 propostas.

Os delegados são escolhidos de acordo com segmentos de representação e levando em consideração o porte do município. Coube a Caratinga eleger 6 delegados, sendo 3 representantes do governo e 3 da sociedade civil e seus respectivos suplentes. Estes seguirão para a 3ª Conferência Regional que será realizada no município de Timóteo.

“A administração preza pela participação popular, e ela se dá de forma organizada através dos conselhos. A conferência, realizada através de uma parceria entre Prefeitura de Caratinga e Conselho Municipal de Assistência Social (CMAS), traz o tema que busca garantir o direito do povo. Queremos garantir essa participação social, e torcemos para que daqui possam sair propostas que se tornem políticas públicas”, afirmou o Secretário de Desenvolvimento Social, Aluísio Palhares.

“A assistência social tem que pensar do recém-nascido até a pessoa idosa e em todas as suas situações de vulnerabilidade social. Dessa forma, a administração trabalha em rede. Os trabalhos realizados pelos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), Centros de Referência Especializados de Assistência Social (CREAS), juntamente com outros projetos, e em parceria com as demais secretarias municipais objetivam o atendimento das necessidades de pessoas especiais, dependentes químicos, crianças em situação de rua, idosos e demais segmentos da população, de maneira particular e especial”, complementou o secretário.

De acordo com Jenadir João de Oliveira, Presidente do CMAS “a efetivação dos direitos só acontece quando há a participação social. É necessário que as pessoas conheçam seus direitos e deveres, por isso, é essencial que o cidadão conheça a rede de assistência social”.